17 de outubro de 2017

Bolo Formigueiro com Mirtilos


Geeeeente, tô sumida, né?
A vida tá uma loucuuuuuuuuura, mas aos poucos as coisas se ajeitam e por isso estou de volta.
Aqui em Brasília tem feito um calor ME-DO-NHO. Sério, estado crítico. O negócio tá tão sério que nem fome ando sentindo.
Ontem, por exemplo, almocei e passei o dia bebendo água. Fui sentir fome lá pelas 9 da noite, quando eu (a louca) resolvi ligar o forno para assar um bolinho.
Essa minha receita é padrão, clássica e quase a prova de erros. Fica beeeeeeem fofinho, de desmanchar na boca. Acabou em 1 dia.
Para criar novos sabores, substitua o líquido pelo que preferir, acrescente gotas de chocolate, maçã com canela e frutas secas, enfim... o céu é o limite!


Bolo Formigueiro com Mirtilos da Máh (ou bolo coringa)

1 xícara de buttermilk*
1/2 xícara de óleo
4 ovos
1 colher (chá) de extrato de baunilha
1 xícara de açúcar
1 pitada de sal
2 xícaras de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de amido de milho
1 colher (sopa) de fermento químico
3 colheres (sopa) de granulado de chocolate**
1/2 xícara de mirtilos frescos


Como fazer?
Bata no liquidificador o buttermilk, os ovos, o óleo, o sal, o açúcar, a baunilha, a farinha de trigo e o amido, somente até ficar homogêneo.
Misture o fermento e o granulado com uma espátula. Disponha a massa na forma escolhida (previamente untada e enfarinhada), distribua os mirtilos por cima da massa sem afundá-los.
Leve para assar em forno pré-aquecido, temperatura média até dourar (o meu assou em 30 minutos). Faça o teste do palito.

*Para o buttermilk, coloque 1 colher (sopa) de vinagre branco na xícara medidora e complete com leite em temperatura ambiente. Misture e deixe descansar 10 minutos antes de utilizar na receita.
**Use um de qualidade ou raspas de chocolate, faz toda a diferença.

Espero que gostem! 
Beijocas e nos vemos em breve! :)

18 de agosto de 2017

Rosquinha de Leite Ninho


Dia desses uma amiga ficou me falando de uma rosquinha de leite ninho que vendia aqui perto de casa, disse que era maravilhosa e que eu tinha que provar. O que eu fiz? Corri lá para comprar, mas não tinha.
Fui outro dia, mas também não tinha. A atendente, muito educada (só que não) me disse que não sabia os dias que teriam a tal rosquinha.
Voltei para casa indignada e determinada em preparar a minha própria rosquinha. Ainda bem que fiz isso, ficou uma delícia, bem fofinha e com muito leite ninho.
Já coitei pra vocês que tenho um caso de amor com leite ninho? Quando criança eu comia escondido da minha mãe. hihihihi

Vamos lá?


Rosquinha de Leite Ninho da Máh

200ml de leite morno
1/2 xícara de açúcar
10g (1 envelope) de fermento biológico seco
2 colheres (sopa) de manteiga em temperatura ambiente
2 colheres (sopa) de óleo vegetal
1 ovo
1/3 de xícara de leite ninho
1/2 colher (chá) de sal
Farinha de trigo

Para finalizar
1/2 xícara de açúcar
1/4 de xícara de água
Leite ninho

Como fazer?

Misture metade 1/4 de açúcar com o fermento e o leite e deixe descansar por 5-10 minutos.
Junte o restante do açúcar, a manteiga, o óleo, o ovo, o leite ninho e 1 xícara de farinha de trigo e mexa bem com uma colher de pau ou espátula. Junte o sal e mais um pouco de farinha.
Vá juntando a farinha aos poucos e quando a massa ficar pesada para mexer com a colher, comece a sovar. Acrescente farinha aos poucos e sove por pelo menos 10 minutos. A massa fica lisa, elástica, desgrudando da mão, porém úmida.
Deixe a massa descansar na tigela coberta com papel filme por 1 hora ou até dobrar de tamanho.
Dê soquinhos na massa para tirar o ar. Divida a massa e modele como desejar (eu fiz dois 'cordões', enrolei um no outro e enrolei como rosquinha) e deixe-as descansar já na forma (untada e enfarinhada) onde serão assadas por mais 1 hora ou até dobrar de tamanho.
Asse-as em forno médio, pré-aquecido, até dourar (as minhas assaram em menos de 15 minutos). Deixe as rosquinhas esfriarem sobre uma grade enquanto prepara a calda.
Para a calda, misture a água e o açúcar e leve para ferver até engrossar, mas sem deixar caramelizar. Pincele as rosquinha e polvilhe o leite ninho a gosto por cima.


Espero que gostem. :)

Beijocas e até a próxima!

10 de agosto de 2017

Empada de abóbora com carne de sol e requeijão


Jamais uma receita foi postada tão rápida nesse blog. Pasmem.
Criei e fiz a receita ontem e, de tantos pedidos e ameças, estou postando hoje (perdoem as fotos, não deu para produzir mais).
Eu amo empada e me deu vontade de preparar uma empada de carne de sol. Daí me lembrei o tanto que carne de sol com abóbora fica divino, resolvi usar também. Mas eu queria na massa e pela internet a fora só achei receitas em que a abóbora é usada no recheio. Então coloquei a cabecinha para funcionar e nasceu essa delícia.

Vamos lá?


Empada de abóbora com carne de sol e requeijão da Máh
(rendeu 8 empadas de 8cm)

Massa
2 xícaras de farinha de trigo
1/2 xícara (mais ou menos 100g) de manteiga gelada
3/4 de xícara de abóbora cozida, amassada e fria
1/2 colher (chá) de sal
Água gelada

Recheio
400g de carne de sol cozida e desfiada*
1 cebola fatiada em meia lua
3 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 colher (sopa) de farinha de trigo
1/2 xícara do caldo do cozimento da carne
1/3 de xícara de requeijão cremoso
Sal, pimenta, orégano e coentro fresco, a gosto

Como fazer?
Para a massa, misture a farinha e o sal e esfarele a manteiga na farinha, com a ponta dos dedos até ficar ficar com o aspecto de areia molhada. Junte a abóbora e tente formar uma massa compacta e macia. Se for necessário junte água. Deixe a massa descansar na geladeira enquanto prepara o recheio.

Para o recheio, coloque o azeite em uma panela grossa ou frigideira e refogue a cebola. Quando ela começar a dourar, junte a carne e refogue mais uns 2 minutos. Coloque a farinha, mexa bem para dourá-la e junte o caldo da carne. Mexa até engrossar. Junte o requeijão, acerte o tempero a gosto e desligue.

Para a montagem, abra a massa nas forminhas utilizadas (ou use uma forma grande), coloque o recheio, e feche com mais massa, caso deseje, pincele com um ovo batido (eu não pincelei). Asse em forno pré-aquecido até dourar.

*Eu procuro usar uma carne de sol com pouco sal, lavo bem e cozinho na pressão com cenoura, cebola, alho, louro e o que mais tiver à mão. Depois de cozida, ainda fico com um caldo de carne prontinho.


Espero que gostem. :)
Beijocas e até a próxima.

7 de agosto de 2017

Pão de talo de couve-flor


Continuo no meu vício por pães.
Dia desses meu pai me deu um couve-flor do tamanho da minha cabeça. Fiz assada, fiz creme, fiz até pizza. Confesso que gosto de comer os floretes, mas não sou fá dos talos grossos, foi ai que nasceu esse pão.
Geralmente congelo os talos para usar em cremes, mas dessa vez foi no pão. Ficou uma fofura, além de delicioso. Mas veja bem, nada impede de você usar qualquer parte do couve flor, tá?
Vamos lá?


Pão de talo de couve-flor da Máh
(rendeu 12 pãezinhos e 1 pão de forma)

2 xícaras de talos de couve-flor picados e cozidos até ficarem macios (cerca de 180g)
1/4 de xícara de açúcar
1 xícara de leite morno
10g de fermento biológico seco
1/2 colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de óleo vegetal
2 colheres (sopa) de manteiga em temperatura ambiente
1 ovo
Farinha de trigo até dar o ponto
Ovo e açúcar para finalizar (opcional)

Como fazer?
Bata no liquidificador os talos de da couve-flor como leite morno e o açúcar até obter um creme liso.
Junte o creme com o fermento, misture e deixe descansar por 5-10 minutos.
Acrescente o ovo, o óleo, a manteiga e 1 xícara de farinha e mexa bem.
Junte o sal e vá juntando a farinha e mexendo, quando a massa ficar pesada para mexer com a espátula, passe para uma bancada enfarinhada e comece a sovar.
Sove por uns 10 minutos, enfarinhando se necessário. A massa solta das mãos mas permanece úmida. Cuidado para não colocar farinha em excesso.
Forme uma bola com a massa, coloque em uma tigela untada com óleo, cubra e deixe crescer até dobrar de tamanho.
Após esse tempo, retire o ar da massa, modele como desejar e coloque em forma untada e enfarinhada, deixe crescer novamente.
Caso deseje, pincele os pães com ovo batido, polvilhe com açúcar cristal e leve para assar em forno pré-aquecido, temperatura média, até que fiquem douradinhos.


Espero que gostem. 
Beijocas e até a próxima! :)



29 de julho de 2017

Pão de Espinafre


Eu adoro criar receitas. ADORO!
Dificilmente faço algo seguindo receitas e com pães não é diferente. Esse aqui é um bom exemplo: fui fazer um pãozinho de leite, lembrei do espinafre em pó que eu tinha e pensei que seria lindo ter um pão verde. 
O pão ficou ótimo, fiz torradas, queijo quente, pão de hambúrguer e as sobras viraram farinha de rosca.
Espero que gostem. ^^


Pão de Espinafre da Máh

1 xícara de leite morno
10g (1 envelope)de fermento biológico seco
2 colheres (sopa) de açúcar
2 colheres (sopa) de manteiga em temperatura ambiente
2 colheres (sopa) de óleo vegetal
1 ovo
1/2 colher (chá) de sal
3 colheres (sopa) de espinafre em pó*
Farinha de trigo até dar o ponto
Ovo batido e sementes de papoula para finalizar (opcional)

Como fazer?
Misture o leite com o açúcar e o fermento e deixe descansar por 5-10 minutos.
Junte a manteiga, o óleo, o ovo, o espinafre em pó, 1 xícara de farinha e mexa bem com uma espátula.
Junte o sal e vá juntando a farinha de trigo aos poucos, mexendo bem.
Quando a massa começar a ficar pesada, coloque na bancada e comece a sovar.
A massa desgruda das mãos, mas se mantém úmida, cuidado para não colocar farinha demais.
Sove o pão por pelo menos 10 minutos.
Coloque a massa numa tigela, cubra com um pano limpo ou filme plástico e deixe num lugar morno para descansar por 1 hora ou até dobrar de tamanho.
Molde o pão conforme desejado e deixe descansar mais 1 hora. Caso deseje, pincele com o ovo batido e polvilhe sementes de papoula antes de assar.
Asse em forno pré-aquecido, temperatura média até dourar.
Para saber se o pão está assado, bata no fundo do pão com os nós dos dedos, se fizer um som oco, está assado. 

*caso não tenha o espinafre em pó, use meia xícara de espinafre e bata ele com metade do leite. Use outra metade para misturar o fermento e o açúcar. Depois do descanso, junte o leite batido com o espinafre e siga conforme a receita acima.


Espero que gostem!
Beijocas e até a próxima!

20 de julho de 2017

Banana Bread


Dia desses eu estava procurando o que fazer para o café e vi uma receita de banana bread, mas como eu não tinha bananas em casa, fiquei só na vontade.
Guardei a receita para outro dia, então quando eu tinha as bananas, não tinha as castanhas. Resolvi fazer mesmo assim. Só digo uma coisa: façam!
Embora seja um pão, como é um quick bread, que é um pão de fermentação rápida - tanto que usa fermento químico ao invés de biológico, ele se assemelha muito a um bolo. Independente do que ele é ou deixa de ser, ele é delicioso e ninguém vai resistir.


Banana Bread
(adaptado daqui)

3 bananas pratas maduras

1/2 xícara de açúcar mascavo
1/2 xícara de açúcar cristal
1/4 de xícara de óleo vegetal
2 ovos

2 xícaras de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento químico 
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal
2 colheres (chá) de canela em pó

Como fazer?
Amasse bem as bananas. Junte o óleo, os ovos, os açúcares, o sal e a canela e misture bem.
Peneire por cima a farinha junto com o fermento e o bicarbonato. Misture com uma espátula até ficar homogêneo.
Disponha numa forma de pão untada e enfarinhada, leve para assar em forno pré-aquecido em temperatura média. Faça o teste do palito (o meu assou em cerca de 35 minutos).
 

Espero que gostem!
Beijocas e até a próxima! :)

11 de julho de 2017

Pãozinho de batata com gostinho de infância


Eu nem ia postar essa receita, já que é igualzinha essa daqui, só trocando a batata, mas é que eu senti uma sensação tão maravilhosa quando comi esse pãozinho que resolvi fazer um post especial, só pra ele.
Eu sei que não é a receita oficial da mamãe, pois nem ela mesma se recorda. Eu lembro vagamente dela prepará-lo, ficava o dia todo por conta das 'rosquinhas de batata' e eu e minha irmã rondando, querendo saber que horas estaria pronto.
Quanto mordi esse pãozinho, me teletransportei para aquela época. Tempos sem preocupações que existem hoje, sem estresses tão constantes na vida adulta e que para ser feliz bastava um pãozinho preparado pela mamy. Foi literalmente uma delícia. Espero que vocês façam e que gostem, e se possível, sintam uma coisa tão boa quanto eu senti.
Para remeter completamente minha infância, fiz uma versão com caldinha simples de açúcar* e salpiquei com coco fresco raladinho.


Pãozinho de batata Máh
(rendimento: 1 pão de forma ou 12 pãezinhos)

1/2 xícara de batata, cozida** e amassada
1 ovo
1/4 de xícara de leite morno
1/4 de xícara de açúcar
10g (1 envelope) de fermento biológico seco
2 colheres (sopa) de manteiga em temperatura ambiente
1 colher (sopa) de óleo vegetal
1/2 colher (chá) de sal
Farinha de trigo até dar o ponto


Como fazer?

Misture bem o leite, o fermento e o açúcar. Acrescente a batata, o ovo, a manteiga e o óleo e misture até ficar homogêneo.
Junte 1/2 xícara de farinha, misture bem e coloque o sal. Vá acrescentando a farinha aos poucos, sempre mexendo bem. Quando a massa começar a ficar pesada para mexer com uma colher, passe para uma bancada e sove bastante, pelo menos uns 10 minutos. Cuidado para não acrescentar farinha demais.
Coloque a massa numa tigela, cubra com papel filme e deixe descansar num local morno (sempre deixo dentro do forno ou do microondas, desligados) por mais ou menos 1 hora, ou até dobrar de tamanho.
Passado o tempo de descanso, dê alguns soquinhos na massa para tirar o ar, modele os pães como desejar e coloque na forma untada e enfarinhada e deixe crescer até dobrar de tamanho.
Leve para assar em forno pré-aquecido, temperatura média por mais ou menos 20 minutos, ou até dourar.
Caso deseje, pincele os pães com um ovo batido.


Para fazer na máquina de pão ou batedeira planetária: Siga os mesmos passos e ordem dos ingrediente, vá juntando a farinha aos poucos e deixe a máquina sovar o pão.

*Para a calda: 2 medidas de açúcar para 1 de água, leve para ferver até engrossar, mas sem caramelar. Essa caldinha é daquela que 'açucara' quando esfria.
**Para cozinhar a batata eu lavo bem, seco e colo-as inteiras no microondas, dependendo do tamanho da batata, demora uns 3-5 minutos para estar bem macia. Espete-a, se ainda estiver dura, cozinhe por mais alguns minutos. Como a batata absorve muita água, isso impede que ela fique mais úmida que necessário.


Espero que gostem!
Beijocas e até a próxima! :)

3 de julho de 2017

Panna Cotta de Cumaru e Geleia de Framboesa


Dia desses, não me lembro a ocasião, mas fiz panna cotta, marido AMA.
Não se assuste com o cumaru e a framboesa, usei apenas porque eu tinha a mão. Panna cotta é bem neutra e aceita diversas combinações, sinta-se livre para criar. E faça também essa versão, é maravilhosa.
Em tempo: cumaru ou fava tonka é também conhecida como baunilha brasileira. A sementinha é usada ralada e além de extremamente aromática, é muito saborosa.


Panna Cotta de Cumaru e Geleia de Framboesa da Máh

Panna Cotta
1 xícara de creme de leite fresco
1 xícara de leite
1/3 de xícara de açúcar
1 colher (chá) de gelatina sem sabor*
2 colheres (sopa) de água
1 semente de cumaru ralada na hora

Geleia de Framboesa
400g de framboesas (usei congelada)
Suco de 1 limão
1/4 de xícara de açúcar**

Como fazer?
Para a panna cotta, misture o leite, o creme de leite, o açúcar e o cumaru ralado e leve ao fogo. Mexa para dissolver o açúcar e quando a mistura começar a ferver, desligue e tampe a panela. Deixe a mistura em infusão por pelo menos 10 minutos.
Disponha a água em uma tigelinha, polvilhe a gelatina e espere 1 minuto até que hidrate. Leve ao microondas ou ao banho-maria até derreter. Adicione a gelatina na mistura reservada, misture bem e passe a mistura por uma peneira. Divida o creme nos recipientes escolhidos e deixe esfriar completamente e só então leve a geladeira até firmar completamente. Sirva gelada com a geleia.

Para a geleia, leve todos os ingredientes ao fogo e mexa esporadicamente. Deixe cozinhar até ficar na consistência desejada. Utilize em temperatura ambiente ou gelada.


*Caso queira a panna cotta mais firme, dobre a quantidade da gelatina.
**Eu gosto de geleia com pouco açúcar, caso você prefira mais doce, use o açúcar a gosto.

Caso vá fazer somente a geleia, para conservá-la melhor, coloque-a quente num vidro esterilizado deixando mais ou menos 1 dedo de espaço na borda, tampe bem e vire-as de ponta cabeça e deixe-as assim até esfriar. 
Para esterilizar, lavo bem os vidros e deixo-os no forno por uns 15-20 minutos. As tampas são fervidas por 10 minutos.

Espero que gostem.
Beijocas e até a próxima! :)






1 de julho de 2017

O estrogonofe da Rita e 6 anos do blog


Não sei se já contei para vocês, mas todo dia 13 tem comemoração entre mim e o marido. Explico: nosso primeiro beijo foi num dia 13, nosso casamento também, então arranjei essa desculpazinha esfarrapada para comemorar.
No último dia 13 eu estava meio sem criatividade para cozinhar, no dia anterior havia sido dia dos namorados e eu estava com preguiça. Pois é, acontece aqui também.
Fiquei o dia pensando o que eu prepararia para o jantar e então me deu uma vontade doida de comer estrogonofe, mas o original, com creme de leite e cogumelos frescos. Aproveitei que eu tinha um pedaço de filé em casa, saí do trabalho, passei no mercado para comprar o que faltava e recorri a receita da minha musa inspiradora, Rita Lobo e olha... foi o MELHOR estrogonofe que já comi e fiquei me perguntando por que eu nunca havia feito assim.

Fiz 1/3 da receita original e rendeu 4 porções. Acrescentei a farinha para dar uma encorpada, mas é opcional. Ah, e usei o whisky pois eu não tinha conhaque,


Estrogonofe da Rita
(adaptado daqui)

500g de filé mignon picado em tirinhas
200g de cogumelos-de-paris frescos em fatias não muito finas
1 cebola média, picada
1 dente de alho, picadinho
1 xícara de creme de leite fresco
1 colher (sopa) de extrato de tomate
1 colher (sopa) de molho inglês
1 colher (sopa) de whisky 
1 colher (sopa) de ketchup
2 colheres (sopa) de azeite
1 colher (sopa) de farinha de trigo
Sal e pimenta moída na hora, a gosto

Como fazer?
Regue uma panela com um fio de azeite e leve ao fogo para aquecer.
Vá dourando as tirinhas de carne, que devem estar em temperatura ambiente, aos poucos. Não coloque tudo de uma vez na panela. A cada leva de carne, regue a panela com um fio de azeite. Repita o processo com toda a carne e reserve.
Regue a panela com o restante do azeite e junte a cebola. Refogue bem até ela murchar, raspando bem para retirar os 'queimadinhos' da panela.
Junte o alho e refogue mais um minutinho. Acrescente a farinha e mexa para incorporar. Junte o extrato de tomate, o molho inglês, o whisky e o ketchup e mexa. Junte a carne reservada e os cogumelos, regue o creme de leite, tempere com sal e pimenta. 
Mexa delicadamente e deixe ferver até encorpar, mexendo esporadicamente. Servi com arroz, salada e batatas assadas. 
DIVINO!

Ahhh, e por falar em comemoração, no último dia 22 o Pimenta Preta completou 6 anos. Agradeço a cada um de você que passa por aqui e faz parte dessa história. 💗


Beijocas e até a próxima!

18 de junho de 2017

Pãozinho de batata doce


Semana passada fui fazer um pãozinho novo para o café da manhã, mas queria varia, já que sempre faço esse. me deu uma vontade doida de comer pão de batata, o que é uma questão para mim. Quando eu era criança, minha mãe fazia o melhor pão de batata do mundo, mas ela não lembra a receita, ou seja, há anos eu e minha irmã ficamos só na vontade.
Já testei algumas e acaba ficando pesado, ainda que saboroso.
Decidi que seria o pão de batata então, até eu ver que não tinha batata. Isso acontece com frequência com vocês também? hahahah
Avistei uma batata doce e foi com ela mesma. Gente, o que é esse pão? A textura, o sabor... aiiiiiii...
Já fiz um pão de batata doce aqui, mas esse ficou diferente e por isso trago hoje. Vou usar a mesma receita base e substituir as batatas e acredito que ficarão igualmente deliciosos.
Só para animar vocês, esse pãozinho aguentou uma semana, num pote bem fechadinho, e mantiveram a textura maravilhosa. Façam e voltem para me contar.



Pãozinho de batata doce da Máh

1/2 xícara de batata doce*, cozida e amassada
1 ovo
1/4 de xícara de leite morno
1/4 de xícara de açúcar
10g (1 envelope) de fermento biológico seco
2 colheres (sopa) de manteiga em temperatura ambiente
1 colher (sopa) de óleo vegetal
1/2 colher (chá) de sal
Farinha de trigo até dar o ponto


Como fazer?

Misture bem o leite, o fermento e o açúcar. Acrescente a batata, o ovo, a manteiga e o óleo e misture até ficar homogêneo.
Junte 1/2 xícara de farinha, misture bem e coloque o sal. Vá acrescentando a farinha aos poucos, sempre mexendo bem. Quando a massa começar a ficar pesada para mexer com uma colher, passe para uma bancada e sove bastante, pelo menos uns 10 minutos. Cuidado para não acrescentar farinha demais.
Coloque a massa numa tigela, cubra com papel filme e deixe descansar num local morno (sempre deixo dentro do forno ou do microondas, desligados) por mais ou menos 1 hora, ou até dobrar de tamanho.
Passado o tempo de descanso, dê alguns soquinhos na massa para tirar o ar, modele os pães como desejar e coloque na forma untada e enfarinhada e deixe crescer até dobrar de tamanho.
Leve para assar em forno pré-aquecido, temperatura média por mais ou menos 20 minutos, ou até dourar.
Caso deseje, pincele os pães com um ovo batido.

Para fazer na máquina de pão ou batedeira planetária: Siga os mesmos passos e ordem dos ingrediente, vá juntando a farinha aos poucos e deixe a máquina sovar o pão.

*para cozinhar a batata eu lavo bem, seco e colo-as inteiras no microondas, dependendo do tamanho da batata, demora uns 3-5 minutos para estar bem macia. Espete-a, se ainda estiver dura, cozinhe por mais alguns minutos. Como a batata absorve muita água, isso impede que ela fique mais úmida que necessário.


Espero que gostem!

Beijocas e até a próxima.
















31 de maio de 2017

Brigadeiro cremoso de amêndoas e damasco


Eu adoro presentear. Já contei isso para vocês?
Mas nada de ficar horas no shopping procurando presente, eu gosto mesmo é de fazer o presente. E de preferência, que seja comida.
No início do mês foi aniversário de uma querida, então fui para a cozinha. Não sabia bem o que fazer, já estava atrasada e resolvi que seria brigadeiro de colher, um bom brigadeiro sempre agrada, né?
Mas ai bateu a doida e eu decidi que não queria o tradicional, de chocolate. Também não queria de ninho, não queria de Oreo, não queria de nada que eu já havia feito. Foi quando meus olhos bateram no potinho de amêndoas e brilharam. Quando vi alguns damascos secos, sorri e fiquei feliz com a escolha. Soube que a aniversariante também. :)


Brigadeiro de Amêndoas e Damasco da Máh


1 lata de leite condensado
1/3 de xícara de amêndoas laminadas
4 a 6 damascos secos, picadinhos (ou mais, se você quiser)
1 colher (sopa) de manteiga (uso com sal)
2 colheres (sopa) de creme de leite
1 pitada de sal

Como fazer?
Triture metade das amêndoas até obter uma farinha grossa. Junte o restante dos ingredientes em uma panela, com exceção do creme de leite e leve ao fogo baixo, mexendo sempre. Quando der o ponto (começar a desgrudar do fundo da panela e formar uma 'bola'), desligue o fogo, junte o creme de leite e mexa bem.
Coma quente (cuidado para não se queimar) ou frio. :)
Ah, se quiser enrolar os brigadeiros, omita o creme de leite. 

Espero que gostem.
Beijocas e até mais!

18 de maio de 2017

Bolo de Coco Gelado - nova versão


Essa é a receita mais acessada no blog, também pudera, ô trem bom!
Há algum tempo eu faço ele de uma maneira um pouquinho diferente, e como eu acho que ele fica ainda melhor, resolvi trazer essa versão para vocês.
Espero que gostem.


Bolo de Coco Gelado
versão ainda mais gostosa daqui

6 ovos em temperatura ambiente
2 xícaras de açúcar
1 xícara de leite
3 xícaras de farinha de trigo
1 colher (sopa) de fermento químico

Para a calda
1 coco seco
2 xícaras de água quente
1 xícara de leite
1 lata de leite condensado


Como fazer?
Na batedeira, bata as claras em neve até ficarem firmes, vá acrescentando o açúcar até obter um merengue fofo e brilhante. Junte as gemas uma a uma. 
Acrescente o leite e a farinha de trigo intercalados, batendo somente até ficar homogêneo. Quando finalizar, retire da batedeira e incorpore o fermento delicadamente como uma espátula.
Leve para assar em forno pré-aquecido, forma untada e enfarinhada, temperatura média, por mais ou menos 40 minutos (faça o teste do palito).
Rende um bolão! Mais ou menos uma forma de 25x35cm de lateral alta.
Para a calda, bata no liquidificador o coco descascado* com a água por uns 2 minutos. Forre uma peneira com um pano limpo e fino e coe o leite de coco. Torça bem o pano para retirar o máximo de líquido. Reserve o coco ralado.
Junte no liquidificador o leite de coco, o leite e o leite condensado, bata até ficar homogêneo.
Quando retirar o bolo do forno, ainda quente, fure-o todo com um garfo e espalhe a calda por todo o bolo. Espalhe o coco ralado por cima e leve para a geladeira por pelo menos 2 horas, quando mais, melhor.

*Para descascar o coco, retire a água e leve-o ao forno quente até ele rachar. Bata com um martelo e vá retirando a casca. Eu gosto de tirar a 'pelezinha' que fica, mas é opcional.

Dessa vez assei em forminhas individuais. <3
Beijocas e até a próxima! :)




10 de maio de 2017

Pão de iogurte e sementes


Eu não sei muito bem como explicar minha relação com a cozinha. É um misto de amor e obsessão.
Quem me conhece sabe que quando falo de cozinhar meus olhos brilham. Além do extremo amor, cozinhar é minha válvula de escape, o que me mantém com a cabeça no lugar hahaha.
Quando estou feliz, tô na cozinha. Quando estou triste, cansada, estressada, também. É lá que extravaso e relaxo completamente. O corpo pode cansar, mas a mente fica leve como uma pluma.
Bom, todo esse "desabafo" é pra contar pra vocês que um dia desses eu estava meio "borocoxo" e no caminho para casa resolvi que precisava de fazer um pão. Eu, a massa, a alquimia que é prepará-lo e a terapia que é sová-lo. Depois de pronto vi a missão cumprida. Esse pão alimentou minha alma antes mesmo de nutrir meu corpo.
A receita é do blog lindo da querida Akemi, que é onde busco pães com frequência. Delicioso. Ele ficou mais denso, mas não menos delicioso. Ah, e renderam torradinhas maravilhosas, depois.


Pão de iogurte e sementes
(adaptado daqui)

1/2 (5g) envelope de fermento biológico seco
1 colher (sopa) de açúcar
120 ml de água morna
1 colher (chá) de sal
1 copo de iogurte natural (170g)
1 colher (sopa) de azeite de oliva
1 1/2 colher (sopa) de mel
1 colher (sopa) de gergelim branco tostado
1 colher (sopa) de linhaça
1 colher (sopa) de sementes de papoula
1 xícara de farinha de trigo integral
Farinha de trigo até dar o ponto (de 2 a 2 1/2 xícaras)

Como fazer?

Misture a água com o fermento e o açúcar e deixe descansar até espumar (5-10 minutos).
Junte o azeite, o iogurte, o mel e misture bem. Junte a farinha de trigo integral e o sal. Misture bem com uma espatula. Junte 1 xícara de farinha de trigo e os grãos. Misture bem.
Vá acrescentando a farinha branca aos poucos e quando ficar pesada comece a sovar. Sove por uns 10 minutos, atá a massa ficar lisa, elástica e desgrudando das mãos. Vá acrescentando a farinha conforme necessário, mas cuidado para não acrescentar farinha demais.
Deixa a massa descansar em local morno por mais ou menos 1 hora.
Molde o pão como desejar (eu abri a massa e enrolei como fosse rocambole) e deixe crescer por mais 1 hora (ou até dobrar de tamanho).
Asse em forno pré-aquecido*, temperatura média-alta até dourar. Para saber se está assado, bata com os nós dos dedos no fundo do pão, se fizer um som oco, está no ponto.

*Para deixar a casca crocante, pincelei o pão com água e, quando liguei o forno para aquecer, deixei uma assadeira no 'chão' do forno. Quando coloquei o pão no forno, joguei água fervendo na assadeira que estava lá dentro e imediatamente fechei o forno. Isso cria o vapor que deixa o pão crocante. Após 15 minutos eu tirei a assadeira e deixei terminar de assar. 


Espero que gostem. 
Beijocas e até a próxima! :)



24 de abril de 2017

Chutney de Maçã Verde


Post direcionado para pessoas que curtem agridoce.
.
.
.
Se tem uma coisa que conquista meu paladar é comida agridoce. É um 'bum' de sabor na boca que me deixa absolutamente feliz.
Sinceramente, não compreendo que não gosta. Respeito, mas não entendo. hahahahaha (Sem polêmica, por favor.)
Uma vez preparei um Chutney de Manga para dar de presente, ficou delicioso. Ontem ao preparar o almoço, resolvi preparar um de maçã. Espero que vocês gostem, pois ficou realmente delicioso.
Ah e fiquem a vontade para dobrar a receita e ajustar (sugestões de substituições no fim do post) e ter essa delicinha sempre à mão.


Chutney de Maçã Verde da Máh

2 maçãs verde, descascadas e picadas em cubinhos 
1/2 cebola roxa pequena, cortada em meias luas fininhas
1/4 pimentão vermelho em cubos pequenos
1 colher (chá) de gengibre fresco ralado fino
1 dente alho ralado fino
2 colheres (sopa) de uvas passas
1/4 de xícara de açúcar demerara
1/8 de xícara de vinagre branco
Suco de meio limão
1 colher (sopa) de azeite extravirgem
Pimenta calabresa a gosto
1 pitada de canela
Sal

Como fazer?
Em uma panela, aqueça o azeite. Junte a cebola, o alho, o pimentão e o gengibre e refogue por mais ou menos 1 minuto. Junte a maçã, o açúcar, e a canela. Mexa bem por 2 minutos e junte o restante dos ingredientes. Cozinhe até que quase todo o líquido tenha secado, sempre mexendo. Ajuste o sal.
Sirva quente ou frio. Guarde na geladeira em potes bem fechadinhos.

ps.: fica delicioso com peixe e carne de porco. Aliás, fica delicioso com praticamente tudo.
ps2.: substituições possíveis:
Maçã verde -> qualquer outra maçã que não desmanche no cozimento
Açúcar demerara -> açúcar mascavo (era a que eu queria ter usado, mas havia acabado)
Pimenta calabresa -> pimenta dedo de moça picada, ou sem pimenta caso você não goste
Uvas passas -> qualquer outra frutinha desidratada como cranberries, damasco picados, etc

Espero que gostem!
Beijocas e boa semana! :)

23 de abril de 2017

Torta de Filé e Palmito



Eu amo tortas. Doces, salgadas, de massa amanteigadade liquidificador... enfim, qualquer uma mesmo.
Fiquei namorando a torta de bacalhau do Panelinha para preparar na Sexta-feira Santa, mas não deu tempo. Depois fiquei namorando a de palmito e aproveitando que eu tinha um pedaço de palmito fresco na geladeira, foi essa a escolhida. Acabei mudando a quantidade e alterei um pouco o recheio também, então, soltem sua criatividade, porque essa torta é deliciosa e fará bonito na sua mesa. <3
-

Torta de Filé e Palmito
(adaptada daqui)

Para a massa:
2 xícaras de farinha de trigo
100g de manteiga bem gelada (usei com sal)
1 pitada de sal
Água gelada até dar o ponto

Para o recheio:
1 colher (sopa) de azeite de oliva
1/2 cebola picadinha
1 dente de alho ralado fino
1 xícara de filé picada em cubos pequenos (1 medalhão)
1/2 alho poró fatiado
1 xícara de palmito fresco fatiado em meias luas (1 tolete)
1/3 xícara de ervilha congelada
6 azeitonas picadinhas (usei a preta)
1 xícara de leite
1 colher (sopa) de manteiga
1 colher (chá) de mostarda de dijon
1 colher (sopa) de farinha de trigo
1 pitada de páprica picante
1/4 de xícara de parmesão ralado na hora
Sal, pimenta do reino moída na hora e salsinha picada a gosto

Para finalizar:
1 ovo


Como fazer?
Comece pela massa. Em uma tigela coloque a farinha e o sal e misture. Coloque a manteiga gelada e com a ponta dos dedos esfarele a manteiga na farinha até ficar com o aspecto de areia molhada. Junte a água gelada aos poucos e misture até formar uma bola. Não sove. Quando a massa estiver homogênea, enrole em um filme PVC e deixe na geladeira.

Em uma panela coloque o azeite e deixe aquecer. Coloque o filé e mexa bem. Junte a cebola, o alho e o alho poró e refogue até murchar. Tempere com o sal, a pimenta e a páprica. Acrescente a manteiga e polvilhe a farinha, mexa bem. Junte o leite e misture bem até a mistura engrossar. Junte o restante dos ingredientes e deixe cozinhar por uns 2 minutos, mexendo bem para não grudar. Acerte o sal. Espere o recheio esfriar para montar a torta.

Abra 2/3 da massa e forre a forma (eu usei uma de fundo falso, com 16cm de diâmetro), coloque o recheio, alise bem e decore a torta como desejar. Eu fiz esse trançado aqui. Pincele com o ovo batido e leve para assar, forno pré-aquecido, temperatura média até ficar bem douradinha, cerca de 30 minutos.

Servi a torta com uma saladinha e foi sucesso total.
ps.: rendeu 4 porções generosas.
ps2.: se sobrar massa, é só cortar em forma de biscoitinhos e assar. ;)
ps3.: a massa pode ser feita no processador. Eu sempre faço, mas estava com preguiça de sujá-lo hahahahaha.



Espero que gostem!
Beijocas e até a próxima!




14 de abril de 2017

Especial de Páscoa: Torta Mousse de Três Chocolates


Ontem foi dia de comemoração (todo dia 13) aqui em casa, havia planejado várias coisas e depois de váaaarias coisas darem errado eu fiquei danada da vida, sentei no sofá com meu sobrinho, coloquei as pernas para o ar e pensei: fod*-se, vou fazer mais nada.
Cinco minutos depois eu estava na cozinha novamente.
Marido sugeriu panna cotta (ele adora), mas eu não queria. Queria algo novo.
Já preparei essa torta uma vez, há muitos anos, quando ganhei o livro de presente. Não é novo, eu sei, mas como fazia tanto tempo, vale, né?
Lembrei dessa sobremesa linda, só faltava o chocolate branco, que eu corri para comprar, juntei com o fato de ter uma garrafinha de creme de leite fresco pedindo peloamordeDeus para ser usada na geladeira e pronto, sobremesa lindamente resolvida! 
Olha, pensei seriamente em fazer só meia receita, mas AINDA BEM que fiz a receita completa, pois dividi em duas formas e já foi a sobremesa do almoço de hoje.
A única alteração que eu fiz foi reduzir a gelatina pela metade, pois eu sabia que ia ficar dura demais, queria leve e desmanchando na boca, acertei em cheio.
Mentira, também mudei o nome porque no livro se chama Sobremesa Gelada de Três Chocolates.

Vamos lá?



Torta Mousse de Três Chocolates

3 ovos, gemas e claras separadas
10 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (sopa) de farinha de trigo
300ml de leite
12g (1 envelope) de gelatina sem sabor
4 colheres (sopa) de água
300ml de creme de leite fresco
100g de chocolate branco
100g de chocolate ao leite
100g de chocolate meio amargo


Como fazer?

Leve o leite ao fogo até levantar fervura e desligue.
Misture as gemas com 4 colheres (sopa) de açúcar, a farinha de trigo e bata bem com o fouet. Vá juntando devagarzinho e sempre mexendo bem o leite quente. Quando terminar, volte tudo para a panela e mexa até engrossar. Desligue e deixe esfriar. 
Eu coloquei a panela numa bacia de água gelada e mexi até esfriar, se for deixar esfriar naturalmente, cubra a mistura com filme plástico encostando no creme.
Hidrate a gelatina na água, leve ao microondas para derreter (cerca de 15 segundos) e junte ao creme frio.
Derreta cada chocolate em uma tigela e espere até amornarem ou esfriarem.
Bata o creme de leite até virar chantilly e incorpore levemente à mistura de gemas.
Divida o creme igualmente em cada tigela de chocolate e incorpore delicadamente.
Bata as claras em neve e vá acrescentando o açúcar restante até obter um merengue brilhoso.
Divida as claras entre os cremes e incorpore delicadamente.
Coloque o primeiro creme (amargo ou branco) na forma preparada* e leve ao congelador por uns 5-10 minutos, só para firmar e os cremes não se misturarem.
Coloque o segundo creme (ao leite) e leve novamente ao congelador.
Finalize com o último creme (branco ou amargo) e leve a geladeira por umas 4 horas para firmar completamente. Decore com raspas do chocolate que ficou por cima.

*Para a montagem eu fiz de duas formas: usei uma forma de fundo falso, com acetado na lateral e usei uma forma com fundo fixo, untada bem de leve com óleo vegetal de sabor neutro.
A forma untada ficou mais bonita ao desenformar pois eu esqueci de untar o acetato. Com ele ficou mais fácil, dá próxima vez eu untarei-o de leve, já que grudou um pouquinho.
Se usar a forma tradicional, passe um paninho umedecido em água quente na forma para facilitar.
Ou esqueça tudo isso ai e faça numa travessa de vidro ou copinhos individuais.


Parece difícil, mas é tranquilo de fazer e o resultado vale todas as louças sujas.
Espero que gostem e que façam.

Beijocas e até a próxima. :)







12 de abril de 2017

Especial de Páscoa - Devil's Cake


Antes que alguém venha brigar, não fui eu quem deu nome ao bolo.
Esse bolo MARAVILHOSO eu fiz no aniversário da mamy. Fiz algumas alterações, já que ela não está podendo consumir leite, mas você pode usar os ingredientes convencionais, embora eu recomende fortemente o café na massa e o chocolate mais amargo que você encontrar.
Trouxe ela para o especial de páscoa só porque é chocolate, né gente? 💓


Devil's Cake
(bolo adaptado daqui)

4 ovos
150ml de café bem forte, sem açúcar e frio
130ml de óleo vegetal
1 xícara de açúcar mascavo
1 colher (chá) de extrato de baunilha
1 e 1/2 xícara de farinha de trigo
1/4 de xícara de cacau em pó
1/2 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 colher (chá) de fermento químico
1 pitada de sal

Como fazer?

Pré-aqueça o forno a temperatura média, mais ou menos 180ªC.
Unte uma forma (usei uma de 12cm de diâmetro x 10 cm de altura) e polvilhe com cacau e reserve.
Em uma tigela, misture os ovos, o óleo, o café e a baunilha. Junte o açúcar e o sal e misture bem.
Peneire todos os ingredientes secos sob a mistura e misture bem, coloque na forma preparada e leve para assar.
Faça o teste do palito para ver se o bolo está pronto.


Brigadeiro Trufado
(adaptado daqui)

150g de chocolate amargo picado (usei um de 70%)
1 lata (395g) de leite condensado (usei sem lactose)
1 caixinha (200g) de creme de leite com mais de 20% de gordura (usei sem lactose)
1 colher (sopa) de glucose de milho

Como fazer?
Misture o leite condensado com o creme de leite e a glucose. Junte o chocolate e leve ao fogo baixo, mexendo sempre. Quando estiver quase desgrudando do fundo, coloque em uma travessa e cubra com papel filme (encostando no brigadeiro) e deixe esfriar em temperatura ambiente.

Para a montagem:
Depois de frio, corte o bolo em quantas fatias desejar, recheie e cubra com o brigadeiro. Cortei o meu em 5 fatias.


Espero que gostem!
Beijocas e até a próxima.